January 18, 2009 

Algum dia...?



Agarro-me a cada linha transparente que me possa prender ainda no passado. Sei tão bem que não haverá dia seguinte, nem nada, nem nada. Odeio esta clarividência que nunca me deixou ter fantasias. Ele perguntou-me ‘ algum dia?’ e eu respondi que não, de imediato, sem dúvida, sem hesitação. Ele chamou-lhe um bom insight.

December 27, 2008 

Banda sonora dos dias mágicos

A música é que me leva onde gosto de estar.

Life is sweet and...
life is sweet.


In Easter summer de Dionysios Solomos.

October 03, 2007 

Palavras



Que é das palavras? Como chamar
por quem as esconde se, sem elas,
nem o silêncio tem nome?

Maria do Rosário Pedreira in O Canto do Vento nos Ciprestes


Alimentamo-nos de palavras. Aqui e ali semeadas sem grande sentido ás vezes. Uma vez esgotadas nada mais nos une. O silêncio já sem nome invade todos os recantos e deixo-me ir, devagar, suavemente, como cheguei.


Foto de João Coutinho

September 27, 2007 

Hoje



Hoje a lua está tão bonita. Amarela, grande e um bocado torta. Ouvi Saramago na rádio a dizer algo assim como o silêncio mais absoluto é o silêncio de água. Vinha a pensar no meu silêncio. Onde o encontrarei agora? O que posso fazer para me escutar?


Foto de João Coutinho

September 04, 2007 

Cartas para lugar nenhum: para que conste



Para que conste o tempo têm passado pleno de Verão. Redescubro a cidade e até aprendi a dançar tango argentino. Depois fui ver o mundo e fiquei ainda com mais vontade de não perder nem um minuto. Para além disso, todos os dias recebo flores da cor de sorrisos. Ás vezes penso que estou triste, mas no minuto seguinte o carteiro deixa na minha caixa de correio mais um carinho. Sinto novamente a angústia das pequenas vinte e quatro horas. Ontem vi o pôr-do-sol na praia e nem parecia domingo.